Prioridades do Meio Ambiente e moradias para baixa renda no PDE

Poda de árvores e contrapartidas ambientais do Aeroporto de Congonhas foram incluídas na pauta.....

A Comissão Extraordinária Permanente do Meio Ambiente realizou a sua primeira reunião nesta quinta-feira (29/04) para definir os temas que serão debatidos nos próximos encontros.

O presidente da Comissão, vereador Floriano Pesaro (PSDB), ressaltou que uma das preocupações “é realizar um debate intersetorial a respeito do lixo e sua reciclagem, em que cooperativas serão convidadas a relatar as suas experiências e anseios.”



De acordo com os parlamentares, questões como a poda de árvores no município, a construção de galpões para materiais recicláveis, a retirada do galpão da extinta empresa Nuclemon, e o descumprimento de obrigações ambientas do Aeroporto de Congonhas devem nortear os debates.

“Com relação à arborização e poda, queremos saber se a atividade deve continuar sendo competência das Subprefeituras e se há funcionários suficientes para o trabalho, pois sempre vemos desabamentos de árvores no município”, comentou o vereador Ítalo Cardoso (PT).

O vice-presidente da Comissão deve ser escolhido na próxima reunião, marcada para o dia 6 de maio.

Participaram do encontro os vereadores José Police Neto (PSDB), José Américo (PT), Agnaldo Timóteo (PR), Ítalo Cardoso (PT) e Floriano Pesaro (PSDB), presidente.




Representante da Caixa Econômica Federal esteve presente para esclarecer dúvidas dos vereadores

Os vereadores da Comissão de Política Urbana receberam, nesta quinta-feira (29/04), Rogério Henriques Gagliardi, gerente regional de negócios da Caixa Econômica Federal. O objetivo da reunião foi discutir os conceitos das Habitações de Interesse Social (HIS) e Habitação de Mercado Popular (HMP) para subsidiar a elaboração do substitutivo à revisão do Plano Diretor Estratégico (PDE), PL 671/07.

A cidade de São Paulo apresenta uma grande demanda por moradias para pessoas de baixa renda. O programa do governo federal Minha Casa Minha Vida recebeu 1 milhão de inscrições apenas na capital paulista. “Nosso intuito é, por meio do PDE, facilitar e, assim, contemplar o maior número possível de pessoas”, explicou o presidente da Comissão, Domingos Dissei (DEM).

O vereador José Police Neto (PSDB) quis saber a opinião do representante da Caixa Econômica Federal quanto a viabilidade da proposta de moradia social existente no PDE. “No caso das HIS, seriam apartamentos com 55m², sem garagem”, explicou o vereador.

Gagliardi respondeu que os apartamentos construídos no programa Minha Casa Minha Vida têm em média 45m² a 50m². “O aumento de 5m ² deveria ser discutido com os engenheiros da Caixa, pois poderia acarretar um aumento no valor do imóvel”, disse. Ele também informou que há a possibilidade de se pensar em habitações sem garagem, pois já há casos assim no programa federal.

Um dos entraves para a viabilização do Minha Casa Minha Vida na cidade de São Paulo é a escassez de terrenos o que acaba resultando em um alto custo. “ O valor do terreno pesa significantemente na composição do custo das moradias em São Paulo, embora haja o outro lado da moeda: em toda cidade há algum tipo de infraestrutura o que acaba sendo um facilitador”, disse ele.

O PDE é um instrumento de planejamento urbano cujo objetivo é ordenar as atividades exercidas na cidade, garantindo o pleno desenvolvendo de suas funções sociais.

Além dos vereadores Dissei e Police Neto, também participaram do debate Jamil Murad (PCdoB), Floriano Pesaro (PSDB), Paulo Frange (PTB), Chico Macena (PT), Claudio Fonseca (PPS), Claudio Prado (PDT) e Gilson Barreto (PSDB).


Foto: Juvenal Pereira [Fonte]


Gostou? Então assine:
Assine nosso RSS Assine nosso RSS via e-mail ou Siga-me no Siga-me no Twitter Ou Re-Tweet :



Adicione aos Favoritos: Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Google Adicionar ao Yahoo
Twitter Facebook Twitter

1 comentários:

  Anônimo

13 de maio de 2010 08:35

Aonde se vê falar nesse tal de vereador Netinho / Apolice Neto, nunca vi falar deste imcompetente. Perus tá abadonado, esse lobos sá aparece na epoca da eleição, bando de aproveitadores. Porque não dá satisfação do R$00000000 CREDITO DE CARBONO de Perus. Educação abandonada. Escolas sem professor, posto de saúde sem médicos, não temos segurança nenhuma. Aposto que quando chegar a eleição esses cata-voto aparece.